https://youtu.be/QLCDymoJD_0

Os Meus Livros

https://youtu.be/Fke4JjUZDTs

posts recentes

ABSTENÇÃO ELEITORAL

ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2017

O REFLEXO NO ESPELHO

"O VELHO DA HORTA", PELA ...

MÚSICA DE TODOS OS TEMPOS...

ESPETÁCULO UAE (UNIVERSID...

PORTUGAL EM FESTA

O REI TRISTE

A VOZ DO RIO - CONTO INFA...

A POESIA NA ESCOLA DE ABA...

arquivos

pesquisar

 
https://youtu.be/Fke4JjUZDTs
Quarta-feira, 4 de Junho de 2014

REFLEXÕES DE POUCO SISO…

REFLEXÕES DE POUCO SISO…

 

Por vezes não quero ser diferente, pretendo ser normal como as outras pessoas, então escondo as palavras debaixo da minha cama

mesmo ao lado da caixa dos berlindes.

Mas ser normal para mim é anormal para os outros, porque me perco sem as palavras e, num arremesso de incompreensível loucura, faço de mim o que nada sei de mim…

 

Assim, ando sempre com palavras no bolso, e com a ansiedade nas mãos mexo-lhes como se fossem berlindes; depois beijo-as, arremesso-as para longe, e de novo as recolho como sementes de flores; só posteriormente as semeio no papel, e é nesse momento que aproveito a boleia do poema até o cansaço me adormecer a criação.

 

Há dias em que a loucura de mim se estende, exaurida, num banco de jardim na demanda de palavras e da irrequietude dos berlindes que moram no fundo do meu bolso.

Mas eu preciso das palavras para que elas digam o que não sei dizer sem elas, sendo que, na travessura fortuita dos fonemas,

mora a loucura no esquecimento das coisas práticas.

 

…e os meus netos adormecem numa nuvem, o ferro esquece-se de engomar a roupa e o pó – sempre empoleirado num raio de sol –

acomoda-se à mobília da casa. Só porque sou louca duma loucura por resolver, penso eu, menos a minha família, que permite alguns devaneios, mas nunca ausências duradoiras.

 

A questão é esta: mesmo que apaixonada por palavras dou em doida à procura do seu lugar definitivo.

Por vezes, fingindo saber delas como não sei de mim, brinco com o riso dos berlindes que ainda trago no bolso, para de seguida os guardar, temporariamente, na saudade inviolável da infância.

 

Bernardete Costa

publicado por Bernardete Costa às 19:00

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?