https://youtu.be/QLCDymoJD_0

Os Meus Livros

https://youtu.be/Fke4JjUZDTs

posts recentes

ABSTENÇÃO ELEITORAL

ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2017

O REFLEXO NO ESPELHO

"O VELHO DA HORTA", PELA ...

MÚSICA DE TODOS OS TEMPOS...

ESPETÁCULO UAE (UNIVERSID...

PORTUGAL EM FESTA

O REI TRISTE

A VOZ DO RIO - CONTO INFA...

A POESIA NA ESCOLA DE ABA...

arquivos

pesquisar

 
https://youtu.be/Fke4JjUZDTs
Quinta-feira, 25 de Abril de 2013

RENOVAR ABRIL

 

Houve um tempo do sopro das palavras,

tempo  a colher papoilas, a desfolhar cravos…

Houve um tempo de verdades gritadas,

de canções com asas de vento e gaivota.

 

Abril pulsava no verde das primaveras futuras

e o povo cantava num juramento:

“como ela somos livres, somos livres de sonhar,

como ela somos livres somos livres de voar”

 

Neste rescaldo duma inteira e limpa madrugada

abril vibra nas palavras como um hálito de gelo,

e na manhã de quem sente o espasmo da fome

sangra a ferida do dia sob o fio dum cutelo.

 

Não imagino mais o vapor da manhã, o frio solar

da primeira hora, assumo até a cobardia

 na aceitação de velhas azinheiras,  dum sorriso

dando bom dia como todos os dias.

 

Mas Abril sempre virá; Grândola persistirá canção

como se a verdade fosse semente de vinho doce

posta na mesa da oportunidade.

Este é o meu alento, o refúgio de liberdade e abris.

 

Ah, as flores são carícias de ar quente!

…Contudo há neve nos olhos tristes do poeta incapaz,

nada mais sabe que este dizer soprado, jacente

nestes versos  de voos e pássaros, febris.

 

Não mais sabe o poeta que faz…

e na pedra se reclina: ainda assim, abril se renova

flori a primavera, e no azul da poesia há sol em mim, 

e uma ave mensageira,

 

que ferida de revolta, 

                                   me alimenta a alma, a espera!

 

Bernardete Costa (Abril de 2013)

 

publicado por Bernardete Costa às 20:27

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?